Colaboradores

sábado, novembro 14

Poema da Gratidão

Muito obrigado Senhor! Muito obrigado pelo que me deste. Muito obrigado pelo que me dás. Obrigado pelo pão,pela vida,pelo ar,pela paz. Muito obrigado pela beleza que os meus olhos vêem no altar da natureza. Que acompanham a ave ligeira que corre fagueira pelo céu de anil E se detêm na terra verde,salpicada de flores em tonalidades mil. Muito obrigado Senhor! Porque eu posso ver meu amor. Mas diante da minha visão Eu detecto cegos guiando na escuridão que tropeçam na multidão que choram na solidão. Por eles eu oro e a ti imploro comiseração porque eu sei que depois desta lida,na outra vida,eles também enxergarão! Muito obrigado Senhor! Pelos ouvidos meus que me foram dados por Deus, Ouvidos que ouvem o tamborilar da chuva no telheiro A melodia do vento nos ramos do olmeiro As lágrimas que vertem os olhos do mundo inteiro! Ouvidos que ouvem a música do povo que desce do morro na praça a cantar, A melodia dos imortais,que se houve uma vez e ninguém a esquece nunca mais! A voz melodiosa,canora,melancólica do boiadeiro. E a dor que geme e que chora no coração do mundo inteiro! Pela minha alegria de ouvir,pelos surdos,eu te quero pedir Porque eu sei Que depois desta dor,no teu reino de amor,voltarão a sentir! Obrigado pela minha voz Mas também pela sua voz Pela voz que canta Que ama,que ensina,que alfabetiza, Que trauteia uma canção E que o Teu nome profere com sentida emoção! Diante da minha melodia Eu quero rogar pelos que sofrem da afazia. Eles não cantam de noite,eles não falam de dia. Oro por eles Porque eu sei,que depois desta prova,na vida nova Eles cantarão! Obrigado Senhor! Pelas minhas mãos Mas também pelas mãos que aram Que semeiam,que agasalham. Mãos de ternura que libertam da amargura Mãos que apertam mãos De caridade,de solidariedade Mãos dos adeuses Que ficam feridas Que enxugam lágrimas e dores sofridas! Pelas mãos de sinfonias,de poesias,de cirurgias,de psicografias! Pelas mãos que atendem a velhice A dor O desamor! Pelas mãos que no seio embalam o corpo de um filho alheio sem receio! E pelos pés que me levam a andar,sem reclamar! Obrigado Senhor! Porque me posso movimentar Diante do meu corpo perfeito Eu te quero rogar Porque eu vejo na Terra Aleijados,amputados,decepados,paralisados,que se não podem movimentar. Eu oro por eles Porque eu sei,que depois desta expiação Na outra reencarnação Eles também bailarão! Obrigado por fim,pelo meu lar. É tão maravilhoso ter um lar! Não é importante se este Lar é uma mansão,se é uma favela, uma tapera,um ninho ou seja lá o que for. Que dentro dele,exista a figura do amor de mãe,ou de pai De mulher ou de marido De filho ou de irmão A presença de um amigo A companhia de um cão Alguém que nos dê a mão! Mas se eu a ninguém tiver para me amar Nem um teto para me agasalhar, nem uma cama para me deitar Nem ai reclamarei. Pelo contrario,eu te direi Obrigado Senhor, Porque eu nasci! Obrigado porque creio em ti Pelo teu amor,obrigado senhor!

domingo, julho 26

UM DIA VOCÊ VAI MORRER

Vou te contar uma coisa muito importante. Preste bastante atenção no que vou lhe dizer. Você pode ter se esquecido disso, Mas um dia, inevitavelmente, você vai morrer… Muitas pessoas vivem como se a morte nunca fosse chegar, Como se sua vida fosse eterna, como se tudo a sua volta fosse sempre permanecer intocado. Mas não, um dia tudo vai embora e você vai morrer. Um dia você perderá seu corpo físico e tudo de material que você tem. Um dia suas posses serão tragadas pela terra, seus animais perecerão, Sua casa cairá, seus móveis serão destruídos, seus familiares vão embora, Seus dogmas religiosos vão a falência, suas crenças o abandonarão, Seu canteirinho não será mais seu: tudo o que um dia fez parte de ti desaparecerá. Assim vemos o quanto tudo é passageiro, tudo é fugaz e supérfluo nesse mundo. Quando chegar o momento derradeiro, quando você se despedir deste mundo, Você vai se perguntar três coisas: O que eu fiz de bom? O que posso levar daqui? Quem sou eu lá no fundo? Que respostas você daria? Fez algo de bom? Deixou uma boa obra? O que vai levar da vida humana que seja imperecível? E quem é você lá no mais fundo e essencial de si mesmo? Não viva como se nunca fosse morrer. Aceite que a morte vem para todos, e que tudo o que você é nesse mundo um dia acaba. Aceite a morte como parte da vida, e não perca seu tempo com futilidades. Entenda que esse mundo é de aparências e um dia o véu cairá. Entenda que os sonhos, os desejos, os anseios humanos, as ilusões, as lutas desse mundo, A correria, a pressa, a tensão, as disputas, tudo isso perde o sentido. Lutamos tanto para tudo um dia se esgotar. Para que tudo isso? Vale a pena o desespero de querer tudo para si? Quem vive apenas por si mesmo, sofre muito na hora da morte e depois dela. O sofrimento se instala quando conferimos um valor de permanência a algo que nunca foi real. Mas lembre-se: quanto menos buscamos o ilusório e mais bem fizemos no mundo, Mais paz teremos no plano espiritual. Por outro lado, quanto mais você busca tudo somente para si mesmo, mais você morre a cada dia. Quem vive pelo bem, pelo amor, pela paz, por Deus, esse morre bem para o humano, E renasce no eterno que foi, é e sempre será… (Hugo Lapa)